terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Este dia do Doce Coração de Maria era o dia da Mãe...

Evangelho Domingo dia 13 Dezembro 2009
O povo estava esperando o Messias. E todos perguntavam a si mesmos se João não seria o Messias.
Por isso, João declarou a todos:
«Eu batizo vocês com água. Mas vai chegar alguém mais forte do que eu. E eu não sou digno nem sequer de desamarrar a correia das sandálias dele. Ele á quem batizará vocês com o Espírito Santo e com fogo. Ele terá na mão uma pá; vai limpar sua eira, e recolher o trigo no seu celeiro; mas a palha ele vai queimar no fogo que não se apaga.»
João anunciava a Boa Notícia ao povo de muitos outros modos.
IMACULADA CONCEIÇÃO DA VIRGEM SANTA MARIA ...

Uma singela homenagem
À Nossa Mãe do Céu
e às nossas Mães aqui na Terra e aos Anjos
que tiveram uma grande contribuição maternal
ao longo da vida desta família.

Além de ser o dia da Doce e Santíssima Mãe Maria, Mãe de Jesus e Mãe nossa,
aqui na nossa família continuamos a considerar o dia 08DEZ, o dia da Mãe.

Considerando a importância de se chamar "Mãe",
e até se diz que mãe há só uma,
penso que se pode rever esse conceito.

Observando a vida de uma forma mais atenta e abrangente,
por vezes, ao longo do nosso crescimento
pelas nossas veredas e caminhos,
até chegar à idade adulta,
vamos encontrando pessoas que também de certo modo,
foram como umas mães, para cada um de nós.
Até, por vezes, vieram acrescentar uma mais valia
à nossa verdadeira mãe biológica.
Mas... a minha mãe também teve anjinhos a ajudarem-na nessa tarefa,
e esses anjinhos que já voltaram para a
Casa do Pai,
foram também imprescindíveis na minha formação como pessoa.
Tinham nas suas asas uma bagagem recheada de amor, carinho,
bons exemplos e muita caridade
por tudo e por todos.
Fazem parte dos meus pilares como educadoras, tal como a minha mãe.
Não quero esquecer ninguém e se o fizer peço a Deus que me perdoe.

Quero com isto dizer que,
no meu caso particular,
tive, se assim se pode dizer,
várias mães.

Essas mães que até se diz serem
mãe duas, ou três vezes
(avós e bisavós).
Felizmente, eu fui agraciada e tive o privilégio, com a
Graça do Senhor,
de ter tido essa benção,
quer ao longo do meu crescimento,
quer aquando no nascimento, no parto
e no crescimento do nosso filho.

Imagem de Nossa Senhora
Tela pintada pela mãe com supervisão da
Pintora Neusa Negrão

Mer ao colinho da mãe
Debruçando-me sobre a minha Mãe biológica,
esse ser, para mim, era uma irmã mais velha que nunca tive,
a maior amiga, a minha confidente, a quem tinha de obedecer e respeitar.
Era uma troca de aprendizagem
Minha mãe também ia aprendendo comigo,
pois nós, os pais, vamos sempre aprendendo com os filhos.
Ainda hoje estou a ensinar e a aprender,
os saberes e as trocas de experiências
de amizade e de amor incondicional.
Fui uma filha que sempre sentiu ser muito amada por minha mãe
e eu, também procurei e felizmente, hoje ainda procuro, retribuir de igual forma.

Mer e Mãe
Já em Lisboa nos nossos passeios divertidos

Com a idade mais avançada, quer de uma quer de outra...
confesso que muita coisa mudou dadas as circunstâncias da vida
e, por vezes, já me falta a "paciência" que lhe deveria dedicar.
Assim sendo, por vezes, não é esse mar de rosas sem espinhos
que desejaria que sempre fosse.
Esse mar de vez em quando fica alterado, «sabes que sou osso duro de roer e
que não partilho, por vezes, das mesmas coisas que gostavas que assim fosse;
os teus objectivos são diferentes dos meus;
cada uma com a sua missão aqui na terra
e só temos que continuar
a sermos condescendentes uma com a outra, como sempre me ensinaste.
Para me ajudares nesta tarefa, peço-te que não esmoreças
quando a saúde acusar o peso dos teus aninhos;
eu também já os sinto a pesarem;
não entres em pânico, para eu também não ficar em pãnico.
Vamos ambas acreditar que ELE, que sempre nos protegeu,
vai continuar essa tarefa connosco
e nada de mal te vai acontecer, porque tiveste uma insónia,
ou o caruncho te doeu um dia mais que o outro.
As queixas em questão de saúde que sentes, também já as sinto;
há que aceitarmos serenamente e confiantes
o nosso desgaste físico e dos anos passados».
«Pela minha falta de paciência, Mãe, te peço mil desculpas e aceita o meu beijinho, beijinho».

Minha bisavó enquanto nova

Foram elas, as minhas
bisavó paterna e avós
que sempre me acompanharam bem de perto na
evolução do meu crescimento.
Lembro-me que, quando estive três anos em Faro,
vinha todos os anos nas férias grandes, passar essa temporada,
com a bisavó e avó paterna.
Durante esse período ficava à guarda desses seres maravilhosos
que me aturavam durante esse tempo e assim matávamos saudades umas das outras.
Sim, porque o meu pai assim prometeu, eu iria todos os anos visitá-las.
Lembro-me que vinha sózinha, de comboio, até ao Barreiro, entregue a mim própria com 7 e 8 anos
e depois chegava ao Terreiro do Paço.
Aí, tinha os meus tios que me levavam até às Caldas da Rainha.
Esses seres maravilhosos viram-me crescer durante dois anos consecutivos
na época dos três meses das férias...
e nós pequenotes, nessa altura, desenvolvemos competências e adquirimos hábitos
já comparados aos mais crescidos e assim por diante.

Nessa altura, aos sete anos, comecei a entrar pela janela...
sim, em vez de entrar pela porta da rua, trepava a parede e entrava pela janela.
A minha bisavó ficava aflita, mas eu, às escondidas ia fazendo das minhas.
Também recordo que a bisavó colocava as nozes que vinham do Retiro
a secarem ao Sol, no quintal .
Então, eu ia distribuindo nozes pelos meninos que andavam pela rua
nas suas brincadeiras.
Também a bisavó se inquietava por esta minha traquinice.

Vó, recordo com saudade os teus abraços e colinho,
especialmente quando te acompanhava ao Retiro que tu tanto amavas
e quando te alegrava e fazia-te brilhar esses teus belos olhos azuis,
ao receberes os tremoços que comprava à porta do Parque e que te levava às escondidas.

Mãe de Mer em bébé
e
Mãe de Regis

Regis e a sua Ama.

Mas... com o meu companheiro também além da
Mãe biológica, teve uma outra mãe, que naquela altura se chamava de ama.
Foi ela que lhe deu todo o carinho, colinho e amor.
Quanto ao nosso filho, foi um sortudo igual a mim.
Amado e acarinhado por duas bisavós
e pela avó materna
e ainda hoje, avó e neto, partilham o mesmo tecto,
com grande ternura e amor um pelo outro.
Também durante as férias era com a bisavó e avó maternas
que ele crescia e era cuidado,
enquanto nós, os pais, estávamos nas nossas ocupações profissionais .

Avó materna e Mer


Mais tarde, casada e grávida, tive novamente como mãe, a minha avó materna
que ao longo de toda a minha vida partilhou o nosso tecto,
mas que voltou a ajudar-me e muito, pois nem sequer me podia levantar da cama.

Se senão fosse esse ser angélico, que era um doce,
na partilha e sua boa vontade para ajudar o seu semelhante,
e neste caso,
o meu bébé, seu bisneto,
poderia não ter ido avante a minha gravidez de alto risco.
Pela minha forma de analisar e abordar o que ao longo da minha experiência vivi

e vendo as situações de cima para baixo, num todo,
por tudo isto, penso, que por vezes, durante a nossa vida,
vamos tendo Mãe e mãezinhas que
ELE Jesus e ELA, Sua Mãe Maria,
vão colocando no nosso caminho.

Elas estão sempre prontas a ajudarem-nos com a finalidade de nos aliviar nas nossas dificuldades do dia-a-dia.



Minha tia-avó Alice
Esta era a minha tia-avó que todos os anos me levava para a Costa da Caparica, para a praia,
e tinha o amor, a doçura e a pachorra de me aturar,
com a maior preocupação, porque no seu entender nunca me alimentava o suficiente.


Minha grande, grande amiga de sempre

que cada vez que lhe telefonava nem conseguiamos
articular palavras.... as lágrimas não deixavam.

...assim como esta amiga, muito especial
que também me aturou e deixou-me partilhar,
anos a fio, os serões na sua casa, na sua intimidade,
para ver o "Bonanza"
e outras séries que na altura passavam na TV, pois
era um bem que, na minha casa, ainda não tinhamos conseguido adquirido.




Mer antes de ser Mãe a sério...
dava colinho à "boneca grande", pois era assim que lhe chamava

Mer e seu querido e único filho
Agora era "o seu boneco pequenino"

Mer com filhote de nove meses - à beira Tejo

Assafora e Seteais - Sintra

Mer e filho
S. Martinho do Porto - 1986


Bisavós maternas com bisneto ao colinho

A ternura do bisneto pela Bisavó materna

Foi este anjo de Bisavó materna,
que com a sua plena entrega, e pela vontade de Deus
ajudou este filhote a vir ao Mundo

Avó e neto em amena e divertida pesquisa, ´
sabe-se lá de quê?
Tal como foi com Mer, mãe, amiga, companheira,
continua a sua mesma missão,
agora com o neto.

Companheiras inseparáveis Avó e Bisavó que
foram o suporte quando havia necssidade da ausência
dos pais

Conforme a idade avançava o carinho e ternura
do neto pela Bisavó também aumentava

Havia sempre um bocadinho de boa vontade
para a visita de matar saudades
afinal o cansaço era visível e o nosso anjo algum dia teria de partir.
Num Santo Domingo de Páscoa
serenamente e entre nós,
adormeceu... até um dia!
Duas destas Educadoras, excelentes profissionais, também foram
Educadoras do nosso netinho
durante alguns meses.
Fizeram também de mães enquanto o nosso filho frequentava estes serviços.
Sempre extremosas e atentas, prontas a contribuir para a boa estrutura moral das crianças que por lá passaram.

Outra grande Mãe que passou pela nossa Família
foi a professora da primária do nosso filho.
O amor é recíproco.

Ainda recordo o dia em que o meu filho, aos poucos, foi soltando a minha mão da dele,
para entrar para a sala de aula e ser confiado a esta brilhante figura
que teve um papel preponderante em tudo, no tocante à instrução e educação do nosso filho.
Ainda hoje mantemos grande estima, carinho e amor por essa fígura ímpar na vida do nosso filho.

Bem-haja nossa querida Amiga

Tem sido um acompanhamento constante e permanente
muito para além dos portões da Escola Primária

Mais tarde esta figura ímpar ainda o acompanhou na sua caminhada colegial.
Foi várias vezes assistir e acompanhar o
seu ex-aluno aquando das cerimónias de entrega de medalhas no CM.

Mer e netinho
Avó é ser-se Mãe duas vezes
Pois,... gostaria de pôr à prova esse ditado
Mas... por ora continuo à espera.
Que Deus entenda quando será!

Estas Mães estão aqui à disposição para dar muito
carinho, compreensão e amor.
Avó paterna, bisavós paternas e neto/bisneto
Para ficar de recordação um dia,
só ELE sabe.


A nossa "Spring".
Mãe de três filhotes

Como este blogue é de toda a família que vive aqui em conjunto,
estou a enumerar
caso a caso.

Mas... também houve aqui em casa um nascimento que nunca vamos esquecer.
Não sei se é assim que pensam....
mas nós consideramos os animais como se duma pessoa de família se tratasse.
Então, no dia 5 de maio de 1978,
estávamos a dormir e acordamos com uns
gemidos, choros indefinidos,
dum salto espreitámos a alcofinha de nosso bébé.
Só que nesse momento ele estava a dormir descansadinho
e a sonhar sabe-se lá com quê...
Ao investigarmos os ruídos que não paravam de se ouvir...
espreitámos a marquise onde repousava a nossa pastorinha alemã de nome
"Spring"
e para nosso espanto
O milagre da primavera do seu nome,
tinha-se materializado;
tinha acabado de dar à luz três filhotes lindos.
Um macho e duas fêmeas.
Por incrível que pareça, ela não estava a cuidar de uma das crias...
nem queria acreditar,
que a nossa "menina" deixasse um filhote perecer.

Mas, com a nossa ajuda,
falei-lhe energicamente e,
como se de um ser humano se tratasse,
entendeu-me, compreendeu
aceitou a cria que estava a desprezar
e
acabou por a higienizar e os três salvaram-se todos.
A partir deste epísódio
tornou-se uma mãe exemplar, tratando todas as suas
crias por igual
Incrivelmente deixou a marquise completamente limpa,
nem parecia que ali tinha havido um parto
de uma cadela e
que tinha tido três cachorrinhos.

Uma das cachorrinhas,
foi entregue à Enfermeira
que me assistiu no meu parto.
Esta foi mais uma Mãe/anjo,
que tive nessa altura, durante toda a noite,
no meu quarto do hospital
não tendo arredado pé de mim.

Essa cachorrinha também teve o nome de
"Spring"
e, tal como a mãe,
foi tratada como uma
princesa.

28 comentários:

  1. Oi,Mer
    Recordaçoes doces de um tempo feliz,uma história e um agradecimento sincero pela familia que construiu. Os avós,então é a figura mais gostosa desse post. Adoro os avós porque repersentam o que somos e a visão deles é sábia.E chegam a uma fase da vida que precisam dos filhos, bonito quando os filhos estão ali, tão proximos a acarinhá-los.
    Gostei muito,espero tenha aproveitado bem o feriado da padroeira da terra.
    Abraços

    ResponderEliminar
  2. OLA MER, MARAVILHOSA POSTAGEM...LINDAS RECORDACOES...VOTOS DE UMA EXCELENTE SEMANA, COM MUITO AMOR E PAZ!!!
    BEIJOS COM AMIZADE,


    SUSY

    ResponderEliminar
  3. OLÁ QUERIDA MER, MARAVILHOSO TEXTO COM FOTOS DA FAMÍLIA E SENTI-ME FELIZ... ABENÇOAA SEJAS MER QUE DEUS PROTEJA SEMPRE A TUA FAMÍLIA...!
    ADORO-TE... ABRAÇOS DE CARINHO E MUITA TERNURA,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  4. Como é bom ter lembranças doces da infância,sentir o amor a pairar á volta, sentir a união da família, porque a mãe ou as mães como tão bem falas são muito importantes , mas não podemos esquecer o amor do pai, uma criança precisa do amor dos dois progenitores,por vezes são as mães que estão mais débeis outras são os pais mas isso para a criança não é o importante mas sim o amor que cada um deles tem para oferecer ao filho.
    Mer, comecei a escrever e foi saindo isto porque fiquei parada na foto do teu neto, pois foi como se tivesse sido cortada a continuação do seguimento das fotos de família, e isso não deve acontecer a família jamais deve de ser separada, estamos no Natal, mais um ano está a entrar, as pessoas mudam, os sentimentos acalmam , quem sabe se este ano um coração de mãe entende o que pode sentir um coração de pai e dar o presente maior que Cristo ensinou unir por amor o coração das famílias.
    Que os anjos anunciem que o menino sempre pode acontecer nos corações de quem ama.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Oh dulcíssima amiga Mer,
    Que linda e grandiosa homenagem presta aqui no seu cada vez mais expressivo “Retiro do Éden” às mães maravilhosas de sua Família,
    neste dia da Mãe, da nossa Mãe Santíssima.
    Fiquei muito emocionada com a sua descrição plena de ternura, sobriedade e naturalidade!
    Já para não falar das fotos deslumbrantes com que completa de forma magistral a sua, a vossa lindíssima história de vida.
    Quem dera que em todos as famílias houvesse assim uma tal simbiose de laços a unirem todos os elementos de ambas as partes!
    Dou-lhe os meus sinceros Parabéns pela sua admirável Família de que só tem motivos para estar felicíssima e orgulhosa!
    Que por intercessão de Maria Deus vos continue a abençoar.
    Deixo-lhe um beijinho com toda a minha admiração e amizade.
    P.S. “Melhor do que todos os presentes por baixo da árvore de Natal é a presença de uma família feliz.”
    Autor desconhecido.

    ResponderEliminar
  6. Minha doce Mer,
    Que lindo post! Estas memórias são aquelas que devem perdurar nas nossas vidas alegrando o nosso coração, e nos fazendo ver o quanto fomos vitoriosas durante a vida que levamos.
    Fiquei maravilhada e feliz por ti e a tua família, e louvei a Deus!!
    A Deus toda a glória!
    beijos

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito de passar aqui, ando um pouco afastado do blog, o final de ano sempre nos desgasta muito, mas vir aqui é uma alegria.
    Em primeiro admirar um trabalho tão bonito de arte, ainda mais quando vemos retratado nossa "" Mãe Maior "" , e tive uma alegria ímpar de " viajar " através de sua história, vendo estas fotos de família, sabes que adoro ver fotos, principalmente de família, um grande abraço, parabéns pela postagem maravilhosa, Ahá queria dizer que a música esta bem propícia, gostei, também queria aproveitar e desejar um Natal cheio de amor e harmonia e muita saúde ( é engraçado dizer, mas quando eu era criança e alguém me dizia uma natal de saúde, eu criança só queria brinquedos , rsrsrsrsr, hoje depois de velho , meus 46 anos , sabem muito bem que o bem maior , o presente maior é nossa saúde e bem estar, ) minha querida amiga Mer , saúde, muita saúde, um feliz Natal e um Ano também muito feliz , para voce e toda a sua família,
    é o que deseja seu amigo braSILEIRO,
    UM GRANDE ABRAÇO DE ALÉM MAR,
    UM ABRAÇO NETUNIANO, COM CERTERZA

    ResponderEliminar
  8. Fiquei encantada com teu texto , tua história de família , Mer!
    Obrigada por dividir conosco um pouco da tua vida. Lindas fotos. Lindas mulheres.
    Adorei esta homenagem!

    Um grande abraço
    Adriana

    ResponderEliminar
  9. e MÃE é assim, só uma e um só dia! também para mim, e sabes bem, dia 8 de Dezº, dia de N.S. da Conceição, padroeira de portugal, dia da Mãe, sempre!
    ver a Nanã, a avó Ana... tá tudo igual!
    ver-te, igual...! o teu filhote continua igual, mantém a mesma expressão de bebé...
    um espectáculo, as fotos, o regresso a uma rua que tão bem conheço, revisitar sítios, pessoas, costumes e hábitos de outros dias!
    apetecia-me dizer uma outras coisas, mas, um diaaaaaaaaaaaaa
    agora apetecia-me uma cavaca da vizinha de cima!
    quem sabe o teu netinho poderá visitar-te...
    vamos pensar positivo, querida mer
    voltarei mais logo
    beijinhosssssssss

    ResponderEliminar
  10. e disse que voltava...
    lembras-te das 'cavacas' da vizinha?
    a spring é uma doce, não podia faltar, é claro, eu tive uma dobberman (nancy) e um boxer (King), eram namorados, tiveram meninos lindíssimos!, todos com a manchinha do pai, a primeira vez que ela pariu foi com imenso carinho que assistimos (não muito ao pé) e ternura com que ela tratava cada um dos bebés e a aflição do king a assistir, de madrugada...
    inesquecível!
    agora só tenho o meu Tonho, o coelhinho, lindoooo
    é uma ternura!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Minha querida Mer, foi muitissimo agradável ver-te assim com as pessoas que amas.

    Um abraço fraterno e que sejas feliz com os teus.

    ResponderEliminar
  12. Linda postagem, recordações de família, obrigada por compartilhar conosco.
    Obrigado tb pelas suas visitas, seu carinho.

    Que sua noite seja repleta de muitas bençãos.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  13. Querida Mer,sabe que sou grande apreciadora dos trabalhos da sua mãe e essa NSSenhora está com uma expressão muito doce,doçura de quem é Mãe e ama os seus filhos. É verdade que se diz que Parir é dor,Criar é amor e e eu deixo aqui uma homenagem muito especial a todas as Mães de Coração.Parabéns para a artista e um grande beijinho para as duas.

    ResponderEliminar
  14. Muito lindo...Muito mesmo...Não há nada que apague.
    Pois é, neste natal não vou convidar duendes e nem Papai Noel para a ceia simples só você e o aniversariante. Beijo

    ResponderEliminar
  15. Sabes que essa história toda de vida é um lindo presente de natal aos teus leitores, que aqui encontram verdade, carinho, histórias de vida. Até dos animaizinhos...Lindo, e emocionante cada palavrinha que está aqui.Sabes por que? Vieram de teu coração, com desabafos e narrações.Adorei e ganhei o dia passar aqui!beijos, tuuuuuuuuuuuuudo de bom,SEMPRE para todos aí!chica

    ResponderEliminar
  16. Parabéns Mer, linda postagem !
    Obrigado pela sua visita no meu blog.

    Bom fim-de-semana !

    ResponderEliminar
  17. Querida Mer,

    Uma linda homenagem a todas as mães e às tuas em especial.
    O teu coração é doce e terno, por isso guarda tantas e boas recordações da infância e de agora.
    É importante nunca esquecer as nossas origens e agradecer por termos sido rodeados de tanto amor e carinho.
    Como bem mencionas os nossos objectivos nunca são os mesmos das nossas mães, pois cada um tem uma missão a cumprir. Mas fica para sempre e orienta-nos o exemplo que uma mãe nos dá.
    Gostei muito de teres aqui mencionado a tua cadelinha "Spring",os animais são seres que nos enchem de alegria e também fazem parte da nossa familia.

    Um belo post , com lindas fotografias que aqui partilhaste connosco num dia tão especial.

    Que a luz dos Anjos vos acompanhe em todos os dias das vossas vidas.

    Beijinhos
    Canduxa

    ResponderEliminar
  18. "No fim tu hás de ver que as coisas
    mais leves são as únicas que o vento
    não conseguiu levar:
    um estribilho antigo,
    um carinho no momento preciso,
    o folhear de um livro de poemas,
    o cheiro que tinha um dia
    o próprio vento"

    (Mário Quintana)


    Desejo um lindo dimingo com muito amor, paz e carinho.
    Abraços com todo meu carinho.

    ResponderEliminar
  19. QUERIDA MER, UM GRANDE ABRAÇO DE DOMINGO, QUE DEUS ESTEJA SEMPRE CONTIGO... ADORO-TE AMIGA...!
    BEIJINHOS DE CARINHO E TERNURA,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  20. Uma vida cheia de recordações e amor. Muito bonito. Se o mundo fosse assim...Um bom Natal Mer.

    ResponderEliminar
  21. Que depoimento-registro amoroso!
    A ancestralidade feminina é fatal em nós, no sentido que nos ajuda a morrer nas ilusões da personalidade e renascer na realidade de virtudes e sapiências principalmente femininas.
    Sua amorosidade de gratidão é de um imenso valor.
    Lembrei de uma postagem antigona, lá no blog, chamada "Minhas Mulheres" - se puder vá ver, seria uma honra.
    Quanto à Mãe Divina, ela se expande e se distribui como quer.
    Graças ao Espírito Santo que Nela habita e que a faz Mãe desde a Via Láctea , desde que o tempo não era tempo.
    Assim é para o bem de nós todos Amen.
    1 abraço.

    ResponderEliminar
  22. Olá Amiga Mer,

    Estava aqui a ver este teu carinhoso post, e bem devagarinho, como se estivesse a ler uma história com muito amor e carinho pela família, pela vida, acho que o passado faz de nós o que somos hoje, e pelo que leio ou tenho lido de ti, sempre imaginei que foste criada e cresceste com todo esse carinho, essas coisas notam-se pela forma como se escreve, pela forma como se partilha, enfim!!! acho que esta a ficar longo o meu comentário, mas só para acabar. És o carinho em pessoa, obrigada por seres assim.

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar
  23. e foi o gravador que me atendeu... lolololol
    não vale!
    de regresso, uns dias maravilhosos na nazaré e em caldas!
    quem sabe amanhã será uma voz diferente, que não o gravador...
    beijinhosssss

    ResponderEliminar
  24. Amiga Mer,
    Não podia deixar passar este Domingo (já passa da meia-noite) para lhe agradecer a sua visita ao meu cantinho!
    Tenho andado um pouco cansada, porque o trabalho é muito "puxado" e já vou vou estando "entradota"! Talvez venha aí uma pré-reforma! Ainda não sei.
    Desejo-lhe uma excelente semana e aos seus.
    Um beijinho grande.

    ResponderEliminar
  25. Amiga adorei sua narrativa em seu texto recheado de detalhes, muito bom, parabéns.
    Abraços forte

    ResponderEliminar
  26. Olá querida Mer, que família tão linda!!!
    Adorei conhecer todas as mulheres lindas, essas mães fantásticas que deram e dão tanto carinho ao longo de toda a sua vida.
    Tu és linda "garota", aliás sempre foste, e em jovem eras uma Princesinha muito bonita:-)). Fiquei aqui tempo infinito a apreciar todos estes belos retratos e tudo aquilo que escreveste com tanto carinho.
    Que bom que neste Natal tivesses o presente que tanto ambicionas, merecias tanto Mer, e o teu "Príncipe" também. Imagino as saudades que tens. Acho que depois que passei a ser avó mudei tanto, não me canso de estar com os meus meninos, passo lá mais tempo do que aqui em casa. Se hoje não tivesse que fazer análises garanto-te que ficava lá mais ums dias, porque fico cheia de saudades deles.
    Agora a minha princesita já com 6 mesinhos a começar a conhecer o colinho da vovó Paula é uma delícia!!!
    Desculpa querida de não ter vindo fazer comentários, mas andei um pouco afastada da internet porque o meu computador avariou e só o fui buscar na semana passada.
    Fica bem minha linda amiga, desejo-te tudo de bom amiguinha, o Senhor vai ajudar-vos, tem fé amiguinha!
    Sente um abraço muito apertadinho e um grande beijinho repleto de carinho,
    Ana Paula

    ResponderEliminar